segunda-feira, 15 de agosto de 2011

BANESTES: Desdobramentos das ações

FATO RELEVANTE (BEES3)

.... (iii) Promover o desdobramento de ações do Banestes, na proporção de 1 (uma) ação para
1000 (mil) ações, com o objetivo de aumentar o quantitativo de ações em negociação na
bolsa, e, assim, contribuir para o aumento de liquidez.
....

Fonte: Relação com Investidores do Banestes
http://www.banestes.com.br/banestes_ri/arquivos/2011/12ago2011_fatorelevante.pdf

5 comentários:

Anônimo disse...

COmo assim desdobrar em 1 para 1000 sendo que cad papel custa hoje R$ 7,00. Não entendi. Desculpa a ignorancia.

Tiago Herculano disse...

Ai Chapuleta! Eu sou aquele aluno da sala que levanta a mão, faz a pergunta e a professora finge que nem ouviu...
Vivo fazendo perguntas no seu blog e muitas delas ninguém responde. Magoei :'(

Tiago Herculano disse...

Eu lá vai mais uma para ninguém responder:

Para fazer um investimento eu devo verificar primeiro o VPA? Se for, o que vejo em seguida? A divida? Outro indice? P/L? O quê devo fazer?

Abraço!

Hermenegildo Chapuleta disse...

Hehe, desculpa qualquer coisa Tiago.

O papel vai agrupar 100 ações para virar uma. Quem tem menos de 100 ações, e pelo que entendi do Fato Relevante é muita gente, vai ter que resolver se quer continuar sócio (aí tem que aumentar participação) ou se vai receber em dinheiro o valor proporcional À sua qtde de ações.

Ou seja, cada ação de 6 ou 7 reais hoje se juntará com outras 99 ações passará a ser uma única ação de 600 ou 700 reais.

Se fosse só isso, seria ferro, pois a ação ficaria muito "cara" nominalmente falando.

Então, depois disso a base de sócios estará mais enxuta, demandando menores gastos administrativos para a empresa e, para fomentar a liquidez das ações, haverá o desdobramento de 1/1000. Ou seja, quem tiver 1 ação de 700 reais, passará a ter 1.000 ações de R$0,70.

Na teoria, o simples grupamento ou desdobramento não altera o valor da ação, pois troca seis por meia duzia.
Na prática, há uma tendÊncia de maior liquidez quando dos desdobramentos e perda de liquidez quando dos grupamentos. Por conseguinte, considerando a especulação e a jogatina, há uma maior possibilidade de o papel de 0,70 ir pra 1,00 do que um papel de 7,00 ir pra 10,00.


PARA NÓS QUE TEMOS O PAPEL EM CARTEIRA:
Muda a quantidade de ações em custódia, mas não altera o percentual da participação de cada um na empresa.
Portanto, os dividendos continuarãopingando mensalmente.

O RISCO PARA NÓS QUE TEMOS ESTE PAPEL EM CARTEIRA:
1- Continuar sócio
a. de um banco de Estado da Federação (um dos poucos remanescentes que ainda não foram privatizados),

b. Relativamente protegido das intempéries financeiras e especulação global.

c. com um P/L inferior a 10 e um P/VPA inferior a 1,5.

d. com boa política de remuneração dos acionistas.

2- Esperar a especulação ou movimentação real de compra por algum outro banco maior (BB já teve tratativas neste sentido e, naquela oportunidade, a conversa não evoluiu)

3- Assistir um corre-corre do mercado se posicionando no papel, que por sua baixa liquidez se subir 200 ou 300% em um curto espaço de tempo não me surpreenderia.

Ah, ia me esquecendo... Há uma possibilidade do banco quebrar, como qq outro banco.

Cada um que aposte suas fichas, dentro da estratégia individual.

Hermenegildo Chapuleta disse...

Quanto ao que olhar no balanço, aí vão algumas dicas:

P/VPA

P/L

Divida Bruta/ Patrimônio

ROE

ev/ eBITDA

Dividend Yield


PS: Quando for comparar, não esquecer que empresas de setor diferente tem parâmetros de comparação também diferentes.

Uma empresa de cartão de crédito não precisa ter a mesma estrutura de uma usina siderúrgica, por exemplo. Portanto, pode ser que vc encontre distorções em VPA/ ROE etc se for comparar "banana" com "laranja".